Amazonastur inicia levantamento para ordenar atividade turística em comunidades indígenas do rio Negro

Técnicos da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur) encerraram, nesta quinta-feira (11/07), a primeira etapa das visitas às comunidades indígenas mistas para a realização dos levantamentos iniciais com vistas ao ordenamento da atividade turística nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDSs) do Tupé e Puranga Conquista, no Baixo Rio Negro.

A ação – realizada nos núcleos de Tatuio, Cipiá, Dikuru e Tuyuka, situados nas RDSs do Tupé e Puranga Conquista – é um desdobramento da audiência pública realizada pelo Ministério Público Federal (MPF-AM), em maio deste ano, com lideranças indígenas e comunitárias, operadores do trade, órgãos públicos, entre outros, com o objetivo de organizar a atividade para assegurar um turismo de qualidade aos visitantes e benefício social e econômico aos próprios comunitários.

De acordo com Mara Neumann, chefe do Departamento de Projetos e Produtos da Amazonastur, desde a última terça-feira (09/07) os técnicos vêm visitando as comunidades, levantando as potencialidades turísticas de cada área e as dificuldades encontradas pelos indígenas, que recebem turistas do Brasil e do mundo durante todo o ano.

“Esse trabalho faz parte de um acordo com o Ministério Público Federal, que vem ampliando as discussões acerca do ordenamento turístico nesta área, juntamente com a Amazonastur, com os órgãos ambientais e os gestores das RDSs. Foram visitadas quatro comunidades. A ideia é fazer um estudo técnico, com todas as informações da infraestrutura necessária e potencial turístico, para que futuramente sejam sugeridos roteiros complementares nessas unidades, de forma a oferecer ao visitante um turismo mais ordenado, para que os próprios comunitários sejam beneficiados com a atividade”, explicou ela.

“E nossa atuação junto aos operadores de turismo é cadastrar os prestadores, para que todos possam atuar legalmente, oferecendo aos visitantes um serviço turístico de qualidade, atuando de acordo com as normas do Ministério do Turismo”, completou Mara.

Para o cacique Poró Tuyuka, a iniciativa da Amazonastur, juntamente com os demais órgãos, vai levar melhorias para os núcleos indígenas, bem como atrair mais turistas para a localidade. “A gente quer a nossa melhoria, porque queremos que os visitantes venham conhecer e valorizar a nossa cultura. Os órgãos estão abrindo as portas para melhorarmos e os visitantes a conhecerem ainda mais a nossa cultura”, disse o cacique.

Além dos agentes da Amazonastur, participaram da visita técnica servidores da Fundação Estadual do Índio (FEI), das secretarias de Estado de Meio Ambiente (Sema) e Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), e da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), para atender os encaminhamentos da Audiência Pública realizada em maio.

FOTOS: Clóvis Miranda

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.