EUA tem interesse em produtos amazônicos

Jornal A Crítica

O assunto foi tratado na manhã de ontem em reunião, na sede da Agência Amazonense de Desenvolvimento Econômico e Social(Aedes), que contou com a presença do professor da Universidade do Novo México,Ph.D em Filosofia,área de Estudos Econômicos pela Universidade de Illinois em Urbana Champaign (EUA), Raul Gouvea.

O professor destacou que o governo americano tem interesse em desenvolver projetos na Amazônia, com apelo ambiental, sustentável e de fomento da cadeia produtiva do Amazonas, a partir de parcerias governamentais e público-privadas.

Uma das iniciativas apresentadas é a de trazer alunos da universidade americana para o Amazonas, que possam ter contato com a realidade e os produtos amazônicos e estudar meios de logística, armazenamento e transporte para que esses alimentos possam estar nas prateleiras do mercado exterior.

O presidente da ADS, Flávio Antony Filho, destacou que esse intercâmbio e essa nova janela que se abre possibilita novos negócios, qualidade de vida e garantia de renda para os pequenos produtores do Estado. “Com políticas de incentivo à produção rural, firmando parcerias certas e ampliando os horizontes para a comercialização dos nossos produtos, a ADS busca gerar atrativos para o homem do campo e contribuir para a interiorização do Estado”, explicou.

Flávio Antony Filho destacou, ainda, que a descentralização da economia, hoje voltada ao modelo da Zona Franca de Manaus, se faz necessária.
“Temos potencial para explorar e diversificar a economia do Estado a partir dos nossos produtos amazônicos”, ressaltou.

Segundo o professor Raul Gouvea, os Estados Unidos e a Europa apresentam uma grande demanda para adquirir frutas desidratadas.

Ele ressalta que essa também pode ser uma nova oportunidade de negócio, com a produção de frutas secas de origem amazônica, de maior rentabilidade e alto valor adicionado.

Durante a reunião, foi discutida a ideia de trazer o MBA em Empreendedorismo Sustentável para o Amazonas.

A idéia, que ainda está no início, visa estudar tecnologias que desenvolvam a floresta amazônica e outras voltadas à área de recursos hídricos na nossa região.

Clipping: seplancti.am.gov.br

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.