Polo Digital de Manaus já é uma realidade

Jornal do Commercio

Com o surgimento da economia digital, desperta também a necessidade de adaptação em vários nichos que impulsionam um mundo cada vez mais conectado. Dentro desse contexto, surge o mercado que dá vida às startups. Hoje, o Amazonas já apresenta um mercado bem amplo e cada vez mais conhecido com projetos voltados a tecnologia e inovação. O Polo Digital de Manaus já é uma realidade. As iniciativas de pesquisa têm despertado interesses. Os institutos e empresas contribuem cada vez mais na formação de pessoas.

Membro do conselho deliberativo do Codese Manaus (Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Manaus), Euler Guimarães, explica que ao longo dos anos o desenvolvimento de pesquisas do setor tecnológico, ampliou o mercado. E os investimentos se tornam grandes estímulos. As startups surgem como potencial para esses avanços e os incentivos da Lei de Informática têm sido essenciais para esse ambiente.

Apesar de possuir um grande potencial, o polo digital precisa de estrutura adequada para suprir as demandas e ter progresso e atrair pessoas para a região. “Uma boa mobilidade na cidade, internet de boa qualidade, computadores mais velozes e mais segurança”, frisou Euler, declarando que no Amazonas se perde muitos profissionais na área de tecnologia para grandes empresas, porque não conseguimos reter esses talentos no Estado. Ele citou como exemplo o modelo do Polo Digital de Florianópolis, claramente bem planejado e com uma estrutura que faz toda a diferença. Além de contribuir com milhões de reais em faturamento, empregos qualificados, e arrecadação de impostos.

Euler explica que o Codese Manaus é um grande interlocutor que contribui com a conexão do que precisa para ampliar o mercado e tem buscado integrar parcerias para viabilizar esse avanço tecnológico. No ano passado, Manaus foi palco da 1a Feira sobre Polo Digital da região Norte, realizada pelo Codese com patrocínio do Sidia. O evento reuniu 93 empresas. Cerca de 14 mil visitantes prestigiaram o evento e 129 palestrantes falaram sobre empreendedorismo digital, arte 3D, games, mobile. “A iniciativa foi uma grande abertura de oportunidades para demonstrar que o polo tecnológico é parte da indústria 4.0 e surge como complemento para esse ambiente. Manaus tem um grande potencial a ser explorado.

“Muitos investimentos serão realizados neste mercado”, disse. A empresa Bossanova Investimentos, o programa Inova Manaus, da Semtepi, (Secretaria Municipal do Trabalho, Empreendedorismo e Inovação) por meio da Prefeitura de Manaus, que visa capacitação de pessoas para atender o mercado, além da Softex (Associação para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro) que tem parceria com a Suframa, surgem com grandes expoentes para o ecossistema da tecnologia digital.

Ele frisou ainda que como colaborador e canalizador de serviços o PIM (Polo Industrial de Manaus), contribui diretamente com o Polo Digital, permitindo que haja circulação de investimentos. Além de dar suporte facilitando o fomento ao desenvolvimento de tecnologia.

Instituto SIDIA

Investindo constantemente no aprimoramento de novas tecnologias e inovações, o SIDIA é um centro de P&D responsável por implementar soluções inovadoras para o mercado local e global, por meio de atividades de pesquisa e desenvolvimento. O instituto atua no desenvolvimento e qualidade de software embarcado para celulares, tablets, novas tecnologias vestíveis (wearables) e smart TVs, aplicativos para óculos de realidade virtual e criação de games de classe mundial.

Para Álvaro Mota, gerente Sênior do Sidia, Manaus é o segundo maior parque industrial do Brasil e um grande gerador de verbas para Pesquisa & Desenvolvimento de novas tecnologias, graças aos incentivos da Lei de Informática, que obriga que essas pesquisas também sejam feitas em Manaus.

“A capital amazonense conta com uma série de empresas, institutos e startups de Tecnologia. Nosso ecossistema ainda é um pouco desorganizado, não está claro quantas startups temos e o que elas fazem. Falta uma visão clara desse ambiente tecnológico, em termos de oferta e demanda”.

A região do Amazonas possui uma população de 4 milhões de pessoas e conta com quatro universidades principais que, juntas, empregam aproximadamente 309 novos graduados por ano na área de tecnologia. Uma dessas instituições, a UFAM (Universidade Federal do Amazonas) conta com a maior graduação em Informática do Brasil, de acordo com o MEC (Ministério da Cultura e Educação). Esse fator mostra a sinergia do Sidia com a região, que se consolida como um dos polos digitais do país.

Samsung Ocean

Samsung Ocean que estimula os amazonenses a aprender o processo de desenvolvimento de jogos, também surge como um dos incentivadores em tecnologia móvel. O Ocean é uma iniciativa da Samsung no Brasil para incentivar o desenvolvimento de soluções em tecnologia móvel, utilizando plataformas e ferramentas da empresa, e fomentar a criação de empresas de base tecnológica (startups). Com modernas instalações, o local oferece gratuitamente capacitação técnica combinada com temas relacionados à usabilidade e empreendedorismo, além do contato com especialistas da empresa e do mercado durante todo o ano.

Por dentro

A Rami ( Rede de Inovação e Empreendedorismo da Amazônia) ajudou a implantação de 14 incubadoras de empresas no Norte e no interior. Em Manaus já tem mais de 50 startups, pelo polo digital. A meta é chegar a 300 startups, e empresas de tecnologia, faturando R$10 bilhões de reais em 20 anos.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.